sexta-feira, 12 de outubro de 2012

O incrível imaginário de Moacyr Scliar

Uma coisa que sempre me intrigou como leitor é a aparente e inesgotável fonte criativa de alguns escritores. Certos caras realmente me surpreendem pela quantidade de obras providas de indiscutível qualidade que lançam. Acho que a maioria das pessoas apreciadoras de literatura já tentou ou teve a curiosidade de escrever uma ficção, algo pequeno e sucinto que desse gosto em ser lido. Confesso: já tentei várias vezes e não consegui. Talvez a solução seja partir de ideias pequenas, como o próprio Lourenço Mutarelli confessou fazer. Mesmo assim, a coisa não é fácil. 

Por isso sou profundo admirador de Moacyr Scliar (1937 - 2011), um médico não somente do corpo humano, mas também das palavras, que sabia manuseá-las como ninguém. Li certa vez, num texto do Tony Bellotto, que ele conseguia escrever em meio a toda agitação de saguões aeroportuários, enquanto esperava por seu vôo. Era só sentar, colocar seu notebook no colo, ligá-lo e pronto: as ideias jorravam para a tela do portátil.

Fui leitor assíduo de seus textos na Folha de S. Paulo e acabo de estreá-lo na forma de literatura, através do romance (um puta romance, aliás, como diria a protagonista da história) "A mulher que escreveu a bíblia". Com uma narrativa envolvente, inteligente e, acima de tudo, ágil, a obra me acompanhou por esses dias (poucos, já que, mesmo com escasso tempo para leitura, devorei-a).

Scliar conta a história do mito da mulher que teria redigido os escritos bíblicos. Até aí, tudo bem. Mas o modo como ele narra o cotidiano da mulher extremamente feia e faminta por sexo adquirida pelo rei Salomão é algo fascinante. Com um vocabulário contemporâneo misturado ao dialeto pertinente à época, o escritor gaúcho mostra sua habilidade, através de sua narradora autodiegética, para criar histórias criativas e mirabolantes, baseadas em mitos e fábulas, que se aproximam dos dias atuais.

As reflexões acerca de seu desejo por certo pastorzinho, o tesão que sente por seu marido (que possui centenas de esposas e concubinas), os planos para conseguir a sua tão sonhada foda, as análises sobre a situação diplomática e política do reino e o seu relacionamento com as outras mulheres do harém de Salomão me arrancaram risos pela absurda relação entre o contexto histórico e os desejos de uma mulher marginalizada por sua feiúra, que é incumbida da escritura do livro sagrado por ser a única alfabetizada (secretamente, diga-se) e detentora de grandes dotes narrativos.

"A mulher que escreveu a bíblia" mostra o quão incrível e inesgotável era o imaginário de Moacyr Scliar. Fábrica de histórias essa que, infelizmente, só teve sua produção interrompida pela morte.

O que, consequentemente, tornou-o um imortal.

7 comentários:

  1. Grande Scliar!
    Recomendo também: "O centauro no jardim".

    ResponderExcluir
  2. Também fico impressionada com a fonte de inspiração aparentemente inesgotável de muitos autores. As palavras vão se enlaçando naturalmente e formando conjuntos que após um tempo, dão origem a um livro, como um passe de mágica. Já fiz várias tentativas de compor um romance, ou um desses contos longos de algumas páginas. Todas em vão... É difícil manter a qualidade constante de uma obra. Entretanto, Moacyr Scliar parecia não ter essa dificuldade, principalmente pela quantidade de seu trabalhos. Ainda não cheguei a ler nenhum romance desse autor, apenas textos da Folha. Fiquei curiosa em relação a esse livro que você citou. Tratarei de colocá-lo na listinhq de livros a ler.

    Abraços,
    E-mail: perolairregular@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  3. "os planos para conseguir a sua tão sonhada foda, as análises sobra a situação diplomática e política do reino e o seu relacionamento com as outras mulheres do harém de Salomão"

    cara, vou atrás desse livro, muito bem, me convenceu. ja li algo dele mas nada a fundo e sua descrição me fez lembrar dos ~circulos~ sociais ~femininos~ aos quais TENHO que me submeter, afinal, bem ou mal curto o lado bom da sociedade *cervas e afins. vamos ver se me identifico. pelo titulo já, adoro coisa que os cristãos olham e falam "ave maria" srrss bj murilo.

    ResponderExcluir
  4. Ainda não havia ouvido falar do Moacyr, mas acredito que essas pessoas que possuem uma vasta criatividade para escrever, são mesmo abençoadas.
    Quem me dera !

    Interessante a história da mulher que escreveu a bíblia, parece engraçada.

    ResponderExcluir
  5. Putz, vou ter q parar de te ler, já passou pra 16 a minha lista de livros para ler, 13 já na minha estante e 3 q li resenhas aqui... e agora? rs
    esse é impossível não querer ler, pelo menos por curiosidade pelo desfecho da coisa toda.

    ResponderExcluir
  6. Muito tempo que eu passei aqui. Você abordou num escritor que eu admiro muito, Scliar me despertou a atenção. Conto, crônica ou romance, Scliar me conquistou.

    Segundo o meu humilde critério de boa literatura, eu considero um autor bom quando, termino de ler uma obra e indago "por que eu não escrevi isso?". É esta a sensação que Moacyr provoca em mim.

    Parabéns pelo escrito e pela homenagem ao escritor. O Centauro deve estar feliz pela sua homenagem.

    ResponderExcluir